Está nas mãos do Tribunal Regional do Trabalho do Espírito Santo o pedido para que 100% da frota de ônibus seja obrigada a circular na Grande Vitória nesta sexta-feira (28), dia em que está marcada uma greve geral contra reformas propostas pelo governo Michel Temer (PMDB). A expectativa de setores como comércio e a indústria em torno dessa decisão judicial é enorme, pois empresários sabem que a abrangência e a adesão da paralisação no Estado vai depender, em grande medida, da decisão que envolve do transporte dos trabalhadores.

Passageiros do sistema Transcol pedem melhorias na pista do Terminal de Laranjeiras, na Serra. Foto: Gazeta

A Associação Brasileira de Shopping Centers no Espírito Santo (Abrasce), por exemplo, informou que os shoppings do Estado deverão funcionar normalmente. Isso também foi o que garantiu o presidente da Fecomércio-ES, José Lino Sepulcri, com relação ao comércio. As entidades esperam que as lojas abram normalmente no Estado no dia da paralisação. Por outro lado, trabalhadores que atuam no comércio atacadista e varejista também anunciaram que vão parar 100% de seus filiados, segundo o Sindicomerciários. Nesses dois casos, a decisão da Justiça do Trabalho será fundamental para indicar o tamanho da greve.

ESCOLAS

Professores filiados ao Sindiupes e docentes e técnicos administrativos da Ufes definiram que vão parar as atividades. Mas a Secretaria de Estado da Educação (Sedu) informa que as escolas da rede estadual seguirão o calendário escolar vigente. A maioria dos colégios e faculdades particulares manteve, por enquanto, as aulas, mas cancelou atividades avaliativas.

Quanto à possibilidade de paralisação dos aeroportos, o Sindicato Nacional dos Aeronautas (categoria que reúne pilotos, copilotos e comissários de voo) realiza assembleias nesta quinta em cinco cidades na qual vai debater uma paralisação apenas dos voos para Brasília (DF) na próxima semana.

A intenção é prejudicar a chegada de parlamentares à capital nacional e, consequentemente, a votação das reformas, em especial, a da Previdência. A proposta, antecipada por fontes ao Globo, ainda é tratada nos bastidores pela categoria e defendida como a medida ideal porque atenderia a dispositivos da legislação sobre greve no setor, de manter 80% das atividades e anunciar a paralisação com 72 horas de antecedência. Se aprovada, a mobilização teria início na próxima terça-feira, mesmo dia em que está marcada a votação da reforma da Previdência na comissão especial da Câmara.

SETORES QUE VÃO PARAR NA GREVE GERAL

Prefeituras

Guarapari

O município disse que está aguardando deliberação do transporte público municipal para definição das atividades. “Até o momento, não há definição em relação ao transporte coletivo municipal”.

Serra

A prefeitura disse que o expediente está mantido.

Vitória

A prefeitura informou por meio de nota que avaliará todas as informações disponíveis para tomar as medidas necessárias até esta quinta-feira (27).

Serviço público

Servidores do Estado, representados pelo Sindipúblicos, vão manter apenas o atendimento de áreas que consideram essenciais, como saúde e segurança pública. O Tribunal de Justiça, a Justiça do Trabalho, o Ministério Público e a Assembleia Legislativa funcionarão normalmente. Já o Ministério Público do Trabalho vai decidir nesta quinta sobre o funcionamento.

Ônibus

O Sindirodoviários aderiu ao movimento de paralisação nacional. Durante o dia da manifestação, apenas 30% da frota dos ônibus da Grande Vitória deverão circular. A paralisação começará a 0h de sexta e irá durar até as 23h59. Os sindicatos dos empresários de transporte, porém, entraram com um pedido de liminar, na Justiça do Trabalho, pedindo o cancelamento da paralisação. A decisão judicial não havia saído até a publicação desta matéria.

Construção civil

100% dos trabalhadores da construção civil também participarão dos atos, diz o Sintraconst.

Motoboys

Os filiados ao Sindimotos, que representa os motoboys do Estado, também vão parar.

Bancos

Bancários decidiram aderir à greve geral. A expectativa é que trabalhadores paralisem por 24h suas atividades.

Limpeza pública

Garis, faxineiros e demais profissionais filiados ao Sindicato dos Trabalhadores da Conservação e Limpeza Pública (Sindilimpe) também vão parar 100% as suas atividades.

Escolas

Professores filiados ao Sindiupes e docentes e técnicos administrativos da Ufes definiram que vão parar as atividades. Mas a Secretaria de Estado da Educação (Sedu) informa que as escolas da rede estadual seguirão o calendário escolar vigente. A maioria dos colégios e faculdades particulares manteve, por enquanto, as aulas, mas cancelou atividades avaliativas. A Faculdade Multivix e o Colégio Marista cancelaram as aulas. No Ifes, apenas o campus de Santa Teresa já optou por paralisar as atividades.

COMÉRCIO

Shoppings

A Associação Brasileira de Shopping Centers no Espírito Santo informou que os shoppings do Estado (Abrasce) deverão funcionar normalmente.

Comércio de rua

O presidente da Fecomércio-ES, José Lino Sepulcri, disse que a previsão é que o comércio abra normalmente no Estado amanhã. Trabalhadores do comércio atacadista e varejista também anunciaram que vão parar 100% de seus filiados, segundo o Sindicomerciários.

Supermercados

A Associação Capixaba de Supermercados (Acaps) disse que os estabelecimentos vão abrir normalmente, mas não explicou como os trabalhadores serão transportados caso os ônibus deixem de circular.

Aeroportos

O Sindicato Nacional dos Aeronautas, que representa pilotos e comissários de bordo, definiu estado de greve. O Sindicato dos Aeroviários do Espírito Santo, dos profissionais que atuam em pista, informou que apoia a greve, mas que as atividades no Aeroporto de Vitória serão mantidas. Outros aeroportos devem parar. Gol e Latam vão oferecer remarcação de viagens sem custos extras.

Gazeta online